terça-feira, 8 de março de 2016

Ser mulher é viver/padecer no imperativo.


   

            Ah! É uma menininha! Vai namorar meu filho! Não! Vai ser freira, filha minha não namora antes dos 21 anos. Aahh!! São tantos vestidinhos, lacinhos rosa... As bonequinhas, tão branquinhas de olhos azuis. Depois, as cozinhas em miniatura; aprendiz de "mulher do lar".
        Sai daí! Larga essa bola! Desce desse muro! Deixa esse caminhão pra lá; isso é coisa de "menino homem'!
        Isso lá é idade para namorar? Limpa esse rosto! Cresce essa roupa! Parece uma puta! Para de andar enganchada nos meninos! Prende esse peitos! Fecha essas pernas! Se dê ao respeito!
        Grávida?! Nessa idade?! É uma oferecida, desajuizada, sem valor! Culpa da mãe que não soube criar. Pensou em abortar?! Meu Deus! Assassina! Bandida! Merece morrer!
        Ainda não casou? 'Tá ficando coroa, depois, na velhice, vai ficar sozinha, sem ninguém para lhe amparar. Oxe! Já casou e ainda não teve filhos? Deixe de ser egoísta, fica só pensando em diplomas, depois vai se arrepender. Para ser mulher de verdade é preciso ser mãe. Até a cólica passa depois que pare. Cura endometriose também; isso é coisa de quem não pariu. 
        Vai só ficar, sem assumir compromisso? 'Tá pensando que ainda é adolescente? Que vulgaridade! Parece uma puta! Como pode, perdeu a chance do Mestrado, a promoção no emprego, pra ser mãe?! Que horror! Vai Amélia!
         Não acredito?! Esse olho roxo é de apanhar do companheiro. Fica com ele porque gosta de apanhar. Essas manchas, a tristeza, o abandono do emprego... Mas em briga de marido e mulher não meto a colher.
         Arruma esse cabelo! Usa um batonzinho! Perde uns kgs, sua gorda feia! Cadê o salto? Que desleixo, parece um macho. E essas tattoos? Ficou louca? Isso é coisa de vagabunda. 
          Vai parir? Parto normal que é bom! A natureza quis assim. Para de gritar, na hora de fazer não chorou! Com corte sim, o médico sou eu! Vai fazer cesariana?! Que fresca, não quer sentir dor. Não tá amamentando?! Malvada, sem coração! Guarda esses peitos, "senvergonha", aqui não é lugar pra amamentar!
           Você já é uma velha, mostrando as pernas! Balada é pra jovem! fazer crochê... Cuidar dos netos! Tu vai ficar aí, cuidando da casa e dos filhos dos outros? Quem pariu o Mateus que balance! Vá aproveitar a vida!!




                                   Êpa, que vida mesmo?! E de quem?!

        Não precisamos de um dia, mas de liberdade para sermos quem e como quisermos.


Erika Pók Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário